Uma das características de um bom gestor é o de saber inovar, deixar para trás velhos conceitos, ou por vezes preconceitos, que o impedem de desenvolver todo o potencial de crescimento ou consolidação da empresa sob sua gestão.

É nesse sentido que, erroneamente uma aeronave corporativa ainda tem sido vista como um artigo de luxo, ou um supérfluo por inúmeras empresas com capacidade e possibilidade de disporem de uma.

Conceito este completamente equivocado, uma vez que este meio de transporte quando corretamente utilizado se traduz numa poderosa ferramenta em prol da produtividade, lucratividade e do empreendedorismo.

Um departamento de transporte dentro de uma empresa, salvo suas devidas proporções, deve ser encarado com a mesma importância de qualquer outro departamento, assim como se adquire uma nova máquina capaz de aumentar a produção de um determinado item de 1000 unidades por dia para 1500 unidades por dia, uma aeronave é capaz de aumentar o numero de atendimentos por parte de um técnico de 1 para 3 visitas por dia, permite um executivo se fazer presente em 2 reuniões em um dia, em diferentes cidades e estar de volta a sede da empresa para trabalhar no dia seguinte, permite também que a empresa atinja mercados antes logisticamente impossíveis, são incontáveis as vantagens/qualidades do uso de uma aeronave.

Mas se é tão vantajoso, por qual motivo inúmeras empresas não aderem a este meio, ou então, porque usualmente ao primeiro sinal de uma crise, os primeiros cortes ocorrem justamente com as aeronaves?

Cada empresa obviamente tem suas particularidades, mas um fator se faz presente em diversos casos, que é o nível de seriedade com o qual esta ferramenta é utilizada. Por se tratar de uma máquina cuja intenção é elevar os níveis de produtividade e lucratividade da empresa, a forma com a qual é utilizada deve corresponder aos objetivos traçados para ela. Uma ou mais aeronaves, salvo mais uma vez suas devidas proporções, devem ser administradas como qualquer outro setor da empresa, com controle financeiro rígido, regras de utilização, um departamento de transporte aéreo deve estar integrado junto aos demais setores, participar do planejamento futuro, trabalhar ativamente para que o uso das aeronaves vá de encontro aos objetivos da empresa.

Quanto maior este departamento, mais complexas as operações e o seu gerenciamento se tornam, passando a ser importante que ele opere o mais similar possível a uma empresa aérea, com o intuito de garantir não só os aspectos econômicos esperados, mas a cultura de segurança de vôo e eficiência adotada pela industria como um todo.

Assim como em qualquer outra empresa, independente do ramo de atividade, recai sob os integrantes de cada departamento demonstrarem a sua importância para a empresa como um todo, e não seria diferente com um departamento de transportes aéreos. Por esse motivo que se faz importante mais uma vez o bom entrosamento dele com os demais setores, inclusive Financeiro e RH, sendo uma pratica interessante promover diálogos informais para desmistificar quaisquer duvidas e curiosidades sobre essa atividade que não é de comum conhecimento de todos.

Inúmeros são os métodos no mercado para aquisição de uma aeronave, sejam eles compra, leasing, compartilhamento ou até o uso através de fretamento, que apesar de terem um peso no resultado final, será insignificante se a forma de utilização não for a correta. Além dos aspectos operacionais, os aspectos administrativos devem ser observados ao se gerenciar uma operação aérea, exigindo desta forma que os responsáveis possuam o conhecimento adequado para desempenhar tal função, buscando sempre pelas melhores práticas de gestão e atualizações constantes, lembrando que o sucesso e a continuidade desse departamento também dependem dele.

Seja qual for o setor de atuação na industria, é sempre válido um bom estudo da possível aplicação de uma aeronave como ferramenta de negócio, assim como um bom estudo se a venda desta é de fato a solução para sair de uma crise. Como já mencionei, cada empresa possui suas próprias características, mas adotando-se boas praticas administrativas, integração total do departamento à empresa e uso consciente da mesma, as chances de sucesso são grandes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *